Vassalo

vassalo

Pouco fazemos dieta

Muito falamos, é a bola da vez

Mas no amor não vivemos de merreca

Pouco importa agora o que eu fiz, o que cê fez

Foi pouco tempo, o fim foi duro

Pouco caso, muito cinismo

Me diz agora, qual foi seu lucro?

Era seu objetivo, tipo onda de capitalismo

Te jurei fidelidade como um vassalo

Com superioridade me dominou

Meu benefício era amá-lo

De um grande precipício me derrubou

Era um nobre cavalheiro, só no meu sonho

Gentil, amigável, pura nobreza

Ao seus caprichos e vontade me exponho

Sarcasmo e egoísmo são a sua natureza.

 

R. Muniz

Anúncios

Só uma crítica

precipício

Para todos os lados que olho vejo um mundo altamente crítico. Todos cheios de razão.

Engraçado que este é o mesmo mundo que fala tanto em aceitação e respeito, mas que está constantemente impondo suas opiniões, uns aos outros. Daí você se sente pressionado a ser crítico também, não aceitar ou se moldar.

Mas as pessoas esquecem do equilíbrio.

Eu, sinceramente, não faço questão de aguçar meu senso crítico da vida e do mundo. Sempre gostei de observar, e não opinar. Opinar me traz a responsabilidade de sustentar argumentos, me obriga a ser A ou B. Francamente, eu prefiro ser eu, apenas. Sem pressão, sem perfeição, sem criticar, sem opinar, sem movimentar ações. Prefiro apenas ser e deixar o outro ser também.

Não é meu dever, muito menos direito, trazer juízo e condenação ou buscar razões ao que o outro pensa.

R. Muniz

 

P.s.: Isso parece uma crítica aos críticos?

Mal Necessário

andando-sozinha

Sempre foi difícil, nunca pensei que seria fácil. Tantas idas e vindas sem muitas mudanças. Tornou-se um ciclo vicioso, e como todo vício, tornou-se necessário. Uma necessidade incontrolável, um vício irresistível, que o passar do tempo só aumentou.

Dizem que o tempo traz consigo a experiencia, e com a experiencia se aprende a viver, torna-se mais sábio. Mas não foi assim no meu caso, não com você. Pois nós nunca fomos verdade, também não fomos mentira; fomos uma série de desencontros, e no fim eu sempre estive só. Apenas eu, e nunca houve ‘nós’ quando precisei.

Eu precisei de um apoio, de um abraço, um beijo, precisei que você ficasse pra me segurar pela mão e caminhar comigo. Seria uma longa estrada e um caminho seguro. Agora tem sido ainda mais difícil, a estrada está mais tortuosa e o caminho mais escuro a medida que sigo sozinha.

Estou seguindo sozinha porque muitas pessoas passam por mim, mas neste caminho tão escuro não consigo olhar nos olhos de ninguém, e ninguém me olha, ninguém nota o quanto necessito, ninguém me dá a mão e nenhum ser é capaz de me dá segurança.

Esse mal nunca deixou de ser necessário, ninguém me faz esquecer a dor e o bem que me fez, pra que eu possa seguir firme. Nenhum tropeço me fortaleceu e todo esse tempo não me tornou mais sábia.

Só estou mais presa a você , o que me mata e me atrai. Um vício, uma necessidade, me faz mal e eu sigo em busca da cura. Todo mal tem o bem pra combater, então o mal que me faz há de ser sanado – um dia.

R. Muniz

Quebrar Os Padrões

issa blog
De tempos em tempos você para e pensa no que tá fazendo da vida. Parece que estamos constantemente querendo encontrar um sentido, uma razão. Nada demais né? É natural querer saber o rumo que tá tomando, ter segurança no que vai fazer, nas decisões…
Mas o grande problema hoje, é que estamos constantemente tentando encontrar sentido e razão pra amar. Paramos de amar pelo que o amor é. Queremos amar com objetivo, com segurança, com a razão. (tenho tentado fazer isso, não nego) Quer saber? Isso não funciona no amor, nos relacionamentos. Não deveria haver motivo pra gostar, pra sentir saudade, pra dizer “você faz falta aqui”.
O sentimento e a razão estão em uma luta intensa e constante dentro de mim, e quem sempre perde sou eu.
Estamos sempre pensando no que a sociedade tem nos imposto, e levamos essa preocupação pros relacionamentos. Já parou pra pensar nos grandes romances? Já parou pra olhar aquele casal super apaixonado que passa na sua rua? Eles são o tipo padrão da sociedade? Não né!? É que eles simplesmente amam, e estão se lixando pro que você vai pensar. Os felizes e apaixonados não se preocupam em seguir padrões, afinal, eles amam. Apenas.
Não se trata de uma troca de interesses e benefícios(isso você procura em um emprego). Se trata de trocar carinho, confidência, sentimento, cuidado, amor. É mais do que o dinheiro pode comprar. É mais do que pontos em comum. É mais do que aquela velha desculpa de que “vocês não tem nada a ver”.
É amar, é viver uma grande história. É arriscar. É sorrir ao lado da pessoa. É ter assunto sei lá de onde. É aceitar os pensamentos do outro, mesmo que não o entenda. É pedir pra ficar quando se quer partir. É lutar contra tudo em favor do que sente.
Não, não é nada disso. Isso também é padrão.
Raissa Muniz

Ilusões Incapazes

Sent.

A cada dia que passa, me surpreende um pouco mais essa incapacidade que as pessoas tem de falar a verdade. Seja ela positiva ou negativa.

Seja o que for, me diga a verdade. Ninguém é obrigado a gostar de ninguém. E você não é. Não é obrigado a gostar de mim, então não finja que gosta. Você não faz ideia das paranoias que crio na cabeça por sua causa. Você não sabe o quanto meu coração bateu forte quando você disse gostar de mim. Então, qual o seu problema? Qual o meu problema?
Será que o problema é seu? Essa mania absurda que você tem de olhar nos olhos de alguém dizer que o sorriso te cativa e que você conta os dias pra vê-la?
Ou vai dizer que o problema todo sou eu?
Eu interpretei errado seu olhar, seu sorriso e até suas palavras?
Eu sou iludida no pleno sentido da palavra?
Eu não sei qual o problema, e definitivamente, nesse momento eu nem tô raciocinando direito.
Eu só queria conversar com você por mais de dois minutos e saber se tô perdendo meu tempo pensando em ti. Por que sinceramente, eu não pretendo ir contra tudo que acredito por alguém que que não irá a um quilômetro segurando a minha mão.
R. Muniz

Não participo do jogo do desinteresse

Não. Definitivamente eu não quero ser feliz sozinha. Que graça tem ser feliz assim? Isso pode ser chamado de felicidade?

Esse papo de autoconhecimento, amor próprio, saber ser feliz sem ter alguém, é só conversa de quem tá sozinho, e quer se convencer de que isso é bom.

Mas na realidade morre um pouco a cada dia, porque não tem com quem partilhar alegrias, tristezas, amor, carinho.

Essa moda de ‘ser feliz consigo mesmo’ , traz junto essa porcaria de jogo do desinteresse. Essa brincadeira de mal gosto onde cada um se dá valor demais, e onde ninguém demonstra sentimentos.

Eu nunca fui igual a todos, e mais uma vez não sou. Não participo do jogo do desinteresse, nem tento me convencer que devo ser feliz sozinha, que preciso ser completa em mim mesma.

Sou sentimental, e não ligo para esse novo padrão insensível e sem coração.

Sonho com o amor sim!

E quando me interesso, não me preocupo em esconder, sou de demonstrar, sem vergonha nenhuma.

R. Muniz

Não perca a fé, nem a vontade de viver bons momentos, por medo de sofrer depois.

issaChega uma hora que o coração já não suporta tanta dor. A cada relacionamento, um novo machucado.

Um amor que não durou.

Uma amizade que acabou.

Um parente que se afastou…

A cada decepção uma nova dor pro coração.

Quem aguenta?

A cada dor sentida, mais pensamentos inquietantes pra tirar a bendita paz.

Você deita, no fim de um longo dia de trabalho, e lá vem todas as lembranças:

Conversas

Risadas

Promessas

Tudo que fizeram juntos e que não vai mais se repetir.

O pior é que a tendencia não é lembrar e pensar:

“Como foi um tempo bom!”

Não!

Não pensa que o que é bom dura o bastante pra ser inesquecível.

Por que quer que seja eterno.

E se acaba, pensa que foi tudo ilusão

Que depositou muitas expectativas nas pessoas erradas.

 

Lembrar das pessoas(dos momentos) de forma positiva pode ser bom.

Sem essa ideia de que tudo e todos só servirão pra trazer mais uma dor.

Não perca a fé, nem a vontade de viver bons momentos, por medo de sofrer depois.

Seu coração não merece isso!

 

R. Muniz