Quebrar Os Padrões

issa blog
De tempos em tempos você para e pensa no que tá fazendo da vida. Parece que estamos constantemente querendo encontrar um sentido, uma razão. Nada demais né? É natural querer saber o rumo que tá tomando, ter segurança no que vai fazer, nas decisões…
Mas o grande problema hoje, é que estamos constantemente tentando encontrar sentido e razão pra amar. Paramos de amar pelo que o amor é. Queremos amar com objetivo, com segurança, com a razão. (tenho tentado fazer isso, não nego) Quer saber? Isso não funciona no amor, nos relacionamentos. Não deveria haver motivo pra gostar, pra sentir saudade, pra dizer “você faz falta aqui”.
O sentimento e a razão estão em uma luta intensa e constante dentro de mim, e quem sempre perde sou eu.
Estamos sempre pensando no que a sociedade tem nos imposto, e levamos essa preocupação pros relacionamentos. Já parou pra pensar nos grandes romances? Já parou pra olhar aquele casal super apaixonado que passa na sua rua? Eles são o tipo padrão da sociedade? Não né!? É que eles simplesmente amam, e estão se lixando pro que você vai pensar. Os felizes e apaixonados não se preocupam em seguir padrões, afinal, eles amam. Apenas.
Não se trata de uma troca de interesses e benefícios(isso você procura em um emprego). Se trata de trocar carinho, confidência, sentimento, cuidado, amor. É mais do que o dinheiro pode comprar. É mais do que pontos em comum. É mais do que aquela velha desculpa de que “vocês não tem nada a ver”.
É amar, é viver uma grande história. É arriscar. É sorrir ao lado da pessoa. É ter assunto sei lá de onde. É aceitar os pensamentos do outro, mesmo que não o entenda. É pedir pra ficar quando se quer partir. É lutar contra tudo em favor do que sente.
Não, não é nada disso. Isso também é padrão.
Raissa Muniz

Não perca a fé, nem a vontade de viver bons momentos, por medo de sofrer depois.

issaChega uma hora que o coração já não suporta tanta dor. A cada relacionamento, um novo machucado.

Um amor que não durou.

Uma amizade que acabou.

Um parente que se afastou…

A cada decepção uma nova dor pro coração.

Quem aguenta?

A cada dor sentida, mais pensamentos inquietantes pra tirar a bendita paz.

Você deita, no fim de um longo dia de trabalho, e lá vem todas as lembranças:

Conversas

Risadas

Promessas

Tudo que fizeram juntos e que não vai mais se repetir.

O pior é que a tendencia não é lembrar e pensar:

“Como foi um tempo bom!”

Não!

Não pensa que o que é bom dura o bastante pra ser inesquecível.

Por que quer que seja eterno.

E se acaba, pensa que foi tudo ilusão

Que depositou muitas expectativas nas pessoas erradas.

 

Lembrar das pessoas(dos momentos) de forma positiva pode ser bom.

Sem essa ideia de que tudo e todos só servirão pra trazer mais uma dor.

Não perca a fé, nem a vontade de viver bons momentos, por medo de sofrer depois.

Seu coração não merece isso!

 

R. Muniz

Espera

issa

Na fila do banco

No caixa do supermercado

No guichê pra pagar conta

O sistema tá lento?

A operadora de caixa é novata?

Ou minha paciência que tá esgotada?

Aquele tio que ficou de vir pro almoço de domingo

No banco da praça esperando o amigo pra tomar um café

A turma que marcou um rolê

As pessoas estão sempre atrasadas?

Ou eu que sou adiantada?

O dia em que você disse que viria

O “até logo” que falamos (e não foi logo)

A espera por seu “oi, estou de volta!”

São muitos dias que passam?

Os meses estão rápidos e lentos ao mesmo tempo?

Minhas expectativas são muito frustradas?

Ou será meu coração desesperado?

R. Muniz

Jamais Apaixonável

blog raissa

Queria ter uma única razão

Saber se algum dia poderia

Viver contigo uma paixão

Uma sensação nobre sentiria

Este ser carnal e mesquinho

Cheio de anseios, vontades

Mas tem um quê de carinho

Dando de si mera metade

Fantasia de ser tão real

Em meu sonho te vejo assim:

Impuro, ao mesmo tempo leal

Tirando sempre o que quer de mim

Desejo profundo, inigualável

Sinto de forma estranha, irreal

Sabendo que não és um ser apaixonável

Nem tampouco ideal.

A Dor Do Amor

blog raissaQuanto mais amor mais dor

O amor pra ser intenso tem que doer

Então, meu bem, não tenha medo de sofrer

Não se negue a amar

Eu nunca me privei do amor

Nunca tive medo da dor

Se sofri muito?

Claro!

Mas não me arrependo de ter amado intensamente

De me dado por completo

O amor compensa

A paixão vale qualquer lágrima.

Raissa Muniz

Meu Maior Medo

issa

Quando eu era criança tinha pavor de injeção.

Chorava só de pensar na dor que me causaria.

Quando passou o tempo meu maior medo deixou de ser a dor.

Passei a ter medo de animais, todos os tipos, em especial os anfíbios.

Mas hoje, adulta, depois de viver tantas experiências boas e ruins,

Meu maior medo é ficar sozinha.

O que mais me aterroriza é pensar que um dia posso ficar sozinha,  

Sem ninguém,

Sem amor.

Todas as noites paro e penso

Em como seria doloroso perder meus pais,

As pessoas que mais me amam,

Me protegem.

E se meus amigos sumirem?

Sei que os amigos somem,

Pois muitos deles já se foram

Pra tão longe que nada os traz de volta.

E quando não tiver amigos,

Não tiver meus pais,

Estarei sozinha?

Sem amor?

Pois já nem sei se sou

Uma pessoa que alguém poderá amar.

Esses pensamentos me acompanham todas as noites antes de dormir.

Eu não quero ficar velha,

Sozinha,

Tendo como única companhia

Meu maior medo,

O medo de viver sem amor.

By: Raissa Muniz

Poetizando

poeta

Todo poeta é sofredor

Na matança de sentimento e dor

Anseia a vinda do amor

Deseja ser feliz sem pudor;

Todo poeta finge amar

Um amor que não tem

Finge o poeta ter;

Todo poeta tem segredos

No íntimo do peito

Tem escondido desejos

Que desejou nunca ter;

Todo poeta acredita

Na vinda de um amor eterno

Que de eterno nada tem

Só a ânsia de ir além;

Todo poeta sente

O que é seu

E o que não é

Só pelo prazer de sentir;

Todo poeta se inspira

Na dor alheia

Vez em quando

Pra mais um poema compor;

Todo poeta tem insônia

Pra escrever no silêncio

E se sentir solitário;

Todo poeta é assim

Do jeito que tem que ser

Pois se não fosse tão esquisito

Poeta não iria parecer.

By: Raissa Muniz